Egito julgará membros da Irmandade Muçulmana acusados de tortura

19/04/2013 09:10

Eles são acusados de torturar estudantes em protestos contra presidente.
EUA sugeriram neste mês que Egito só processava pessoas da oposição.

 

Da Reuters

 
 
 
Comente agora

Dois membros da Irmandade Muçulmana no norte do Egito foram indiciados por acusações de prender e torturar estudantes durante protestos contra o atual presidente do país, Mohamed Morsi.

O escritório da promotoria em Damanhour disse neste domingo (14) que os homens foram acusados de deter e espancar estudantes em novembro no escritório da Irmandade na cidade do Delta do Nilo durante os conflitos entre os oponentes de Morsi e seus apoiadores islâmicos.

As acusações são um raro reconhecimento dos supostos papéis que alguns dos apoiadores do presidente tiveram nos ataques contra seus oponentes.

O Departamento de Estado dos Estados Unidos sugeriu neste mês que o Egito estava seletivamente processando pessoas acusadas de insultar o governo, ao passo que ignoravam ou minimizavam os ataques a manifestantes antigoverno.

Oponentes de Morsi também o acusam de tentar dominar as instituições do Estado como o judiciário. O presidente disse estar trabalhando para livrar o governo de corruptos remanescentes da era de Hosni Mubarak, deposto por levante popular em 2011.

Representantes da Irmandade no Cairo não estavam imediatamente disponíveis para comentários, diz a agência Reuters.

http://g1.globo.com/mundo/noticia/2013/04/egito-julgara-membros-da-irmandade-acusados-de-tortura.html