'Esgoto clandestino compromete as praias', diz Lopes

23/04/2013 19:24
De A Tribuna On-line

O secretário de Meio Ambiente de Guarujá, Élio Lopes, contestou o resultado do relatório divulgado nesta segunda-feira pela Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb), e que havia sido antecipado por A Tribuna na edição de 8 de dezembro do ano passado. O documento aponta queda na qualidade das praias do Município. 

Segundo Lopes, na Cidade, hoje, há apenas duas praias consideradas impróprias para o banho, dentre elas a Praia do Perequê, que historicamente apresenta contaminação em função das ligações clandestinas de esgoto existentes no Município. 

“Mais de 70% das praias na nossa Cidade estão próprias para o banho. O Tombo, por exemplo, há três anos tem recebido a bandeira azul. Até o ano passado, ela era a única praia urbana do Brasil com o certificado internacional”, explica. 

Ainda conforme Élio Lopes, é comum a balneabilidade de algumas praias ser menos favorecida ao longo do ano. “As praias que são avaliadas pela Cetesb estão no perímetro urbano. É comum, principalmente, no período de chuvas ou por causa de uma forte ressaca, o mar acabar arrastando lixo ou até mesmo fezes de animais que estejam no calçadão para dentro do mar. Isso acaba prejudicando mesmo a qualidade das praias”, diz. 

O secretário também aponta para o período de permanência em que as bandeiras vermelhas da Cetesb, que atestam a qualidade das praias, após a medição. “Não condeno a análise. Mas após a medição, que pode ocorrer após um período de chuvas, por exemplo, as praias ficam com a bandeira vermelha por semanas e isso, nem sempre, reflete a realidade daquele momento”. 

Élio Lopes afirma ainda que a Secretaria de Meio Ambiente em parceria com a Sabesp realiza um levantamento sobre todas as ligações clandestinas de esgoto existentes no Município. “Há até uma linha de financiamento concedida à população mais carente para regularizar as ligações de água”. O secretário finaliza: “queremos tentar resolver a causa e não ficar trabalhando nos efeitos”. 

http://www.atribuna.com.br/noticias.asp?idnoticia=188580&idDepartamento=5&idCategoria=0