Palmeiras sente ausência de Valdivia, fica no empate com São Caetano e não convence mais uma vez

17/03/2013 19:03
Com o resultado, o Palmeiras chegou aos 21 pontos e se manteve no G8 do estadual. O São Caetano, por sua vez, igualou o União Barbarense na lanterninha da competição, com seis pontos....

 
  •  
  •  

Palmeiras sente ausência de Valdivia, fica no empate com São Caetano e não convence mais uma vez

Reprodução/ESPN

 

Dono da pior defesa da competição, com 27 gols sofridos no Campeonato Paulista, o São Caetano se configurava como a oportunidade perfeita para o atacante Kleber Pinheiro, enfim, desencantar pelo Palmeiras. Não foi dessa vez, contudo. Sem criatividade em seu meio-de-campo na ausência de Valdivia, lesionado, o time alviverde sofreu parar chegar ao ataque, abusou dos cruzamentos na área e ficou apenas no empate em 1 a 1, neste domingo, fora de casa.

A equipe comandada pelo técnico Gilson Kleina saiu perdendo, ainda no primeiro tempo, em falha do goleiro Fernando Prass, que nem esboçou reação para defender chute despretensioso do meia Éder de fora da área. O empate viria nos primeiros minutos da segunda etapa, através de Leandro. O atacante entrou no lugar de Vinícius e completou jogada de Wesley. Antes disso, o zagueiro Henrique desperdiçou cobrança de pênalti.

LEIA MAISPrass isenta Gilson Kleina de culpa em empate: 'A gente que não foi competente'

Com o resultado, o Palmeiras chegou aos 21 pontos e se manteve no G8 do estadual. O São Caetano, por sua vez, igualou o União Barbarense na lanterninha da competição, com seis pontos.

O time do Palestra Itália volta a campo contra o Botafogo-SP, no Pacaembu, na quarta-feira. Será o reencontro com a torcida depois das vaias na vitória diante do Paulista por 2 a 1, no meio da semana. O São Caetano, por sua vez, segue em casa e recebe o Ituano na quinta-feira.

O jogo

Sem Valdivia, fora por um mês, o técnico Gilson Kleina optou por povoar o meio-campo com volantes. A estratégia, que se provou acertada em ocasiões anteriores na temporada, não surtiu o mesmo efeito nos primeiros minutos do duelo com São Caetano. Sem profundidade no toque de bola, o Palmeiras não conseguia finalizar e levava perigo apenas em cobranças de escanteio.

Com maior domínio em campo, o time alviverde encontrava dificuldades para abrir o jogo pelas laterais. Em tarde pouco inspirada, Marcelo Oliveira não oferecia alternativa pela esquerda. Weldinho, por sua vez, não se apresentava na direita.

A dificuldade na armação obrigava a aproximação de Marcio Araújo, vindo de trás. Em uma dessas chegadas, o volante palmeirense encontrou Wesley em boa condição. O meia cortou o zagueiro e encheu o pé esquerdo por cima do gol.

Aos 27 minutos, o atacante Kleber Pinheiro, que segue sem desencantar com a camisa da equipe, recebeu passe e foi derrubado por Bruno Aguiar dentro da área. O árbitro não teve dúvida e marcou pênalti. Na cobrança, Henrique chutou à direita, raspando a trave do goleiro Fabio. Foi a melhor oportunidade alviverde na etapa inicial.

Desarrumado no gramado, o São Caetano pouco ameaçava a meta defendida por Fernando Prass. Em arremate despretensioso do meia Éder de longe, no entanto, o camisa 1 palmeirense acabou falhando e engolindo um frango aos 41 minutos. Os donos da casa encerraram o primeiro tempo em vantagem no marcador e com apenas duas finalizações.

Na volta do intervalo, Gilson Kleina trocou Vinícius por Leandro. Logo aos 3 minutos, o treinador seria premiado com a modificação. Wesley recuperou bola na intermediária, avançou, limpou a marcação e rolou para o atacante, que teve apenas o trabalho de empurrar para o fundo das redes.

No minuto seguinte, o Palmeiras quase virou. Em cruzamento de Patrick Vieira, Kleber cabeceou forte para grande defesa de Fabio.

Enquanto isso, o São Caetano seguia insistindo nos chutes à distância de Eder para tentar se colocar mais uma vez à frente.

Depois do empate, o Palmeiras relaxou em campo e permitiu que Rivaldo e companhia crescessem no jogo e passassem até a sonhar com o segundo gol. Sem criatividade em seu meio-de-campo, Kleina resolveu, então, lançar o armador Tiago Real. Com o meio-campista no gramado, o time alviverde voltou a ter mais a posse de bola. Não foi o suficiente, contudo, para assegurar a vitória contra o São Caetano.

FICHA TÉCNICASÃO CAETANO 1 x 1 PALMEIRAS