Vigilância é muito maior, diz jovem que divulgou informações dos EUA

10/06/2013 22:37

O homem que vazou informações secretas do governo americano afirmou que a intenção era proteger as liberdades civis em todo o mundo.

 
 
 
 
 

O homem que vazou informações secretas do governo americano afirmou que a intenção era proteger as liberdades civis em todo o mundo.

Edward Snowden é ex-técnico da agência de espionagem dos Estados Unidos e contou os detalhes sobre o monitoramento de dados de milhões de pessoas.

Edward Snowden fez questão de não se esconder. Ex-funcionário da CIA, a Agência de Inteligência Americana, ele trabalhava havia 4 anos como prestador de serviços para a NSA, a Agência Nacional de Segurança.

No dia 20 de maio, ele pediu uma licença médica e viajou para Hong Kong. De lá, vazou informações secretas para os jornais “The Guardian e “The Washington Post” sobre programas de vigilância do governo sobre cidadãos americanos e estrangeiros. A Casa Branca afirma que cidadãos estrangeiros são alvos do monitoramento, mas em uma entrevista ao “The Guardian” Snowden garantiu que a vigilância é muito mais ampla. “Originalmente a NSA recolhia informações de inteligência apenas no exterior, mas agora, cada vez mais, isso acontece domesticamente” explicou Snowden. 

Ele disse que fez as revelações porque o povo americano precisa decidir se apóia ou não a espionagem que é feita dentro do próprio país. "Meu maior medo é que nada mude", ele afirmou.

Snowden contou que conseguia gravar a qualquer hora informações sobre qualquer pessoa, incluindo o presidente Barack Obama, se obtivesse o endereço de e-mail.

O diretor-geral dos serviços de inteligência, James Clapper, disse em entrevista à rede de TV NBC, que a ação colocou em risco a segurança do país.

O deputado republicano Peter King chamou Snowden de traídor e disse que ele deve ser julgado nos Estados Unidos.

Na manhã desta segunda-feira, Snowden saiu do hotel onde estava. Ele pode estar ainda em Hong Kong, que tem acordo de extradição com os Estados Unidos, ou pode estar buscando asilo em outro país.

Em Washington, a Casa Branca não quis comentar o assunto. Por enquanto, Snowden não foi formalmente acusado de nada, mas o Departamento de Justiça Americano abriu uma investigação criminal. Snowden disse que teme pelo bem-estar da família, que mora nos Estados Unidos.

Uma pesquisa do jornal “Washington Post” e do Instituto Pew, divulgada nesta segunda-feira (10), mostrou que 56 % dos americanos são favoráveis ao monitoramento de chamadas telefônicas para investigar possíveis ameaças terroristas, desde que seja autorizado pela Justiça.

http://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2013/06/vigilancia-e-muito-maior-diz-jovem-que-divulgou-informacoes-dos-eua.html